Octávio Mateus: "Tive a sorte de nascer num ninho de dinossauros"

Octávio Mateus: 'Tive a sorte de nascer num ninho de dinossauros'
Ricardo Santos 21 de junho

Octávio Mateus é um dos mais respeitados paleontólogos ao nível internacional e acaba de fazer uma descoberta extraordinária nas arribas da Lourinhã - os ossos de um raro dinossauro carnívoro.

Aos 9 anos, Octávio Mateus descobriu um dente de dinossauro. Hoje, com 46, já batizou 35 novas espécies (a última na semana passada), corre o mundo em escavações, tem o seu trabalho exposto no Museu de História Natural dos EUA e defende-se bem das comparações com Indiana Jones. Filho dos fundadores do Museu da Lourinhã, o professor de Paleontologia na Universidade Nova de Lisboa, não esconde a paixão pelo que faz: "Somos como um caçador ao contrário, em vez de matar, damos vida."

O que nos pode contar sobre a nova descoberta?
Descobrimos muito mais do que estávamos à espera nesta campanha de verão que fazemos todos os anos no Museu da Lourinhã. Temos pelo menos um grande dinossauro saurópode, são aqueles animais relativamente mais comuns, os gigantes de pescoço comprido. Temos um dinossauro carnívoro, que nós chamamos terópode e esses são relativamente raros. Não sabemos ainda quais são as espécies mas algumas não são assim tão comuns quanto isso. E temos numa arriba um grupo que inclui dinossauros com placas e espinhos, os estegossauros e os anquilossauros. É um deles. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui