Covid-19: Ryanair admite despedimentos e redução da operação em Portugal

Lusa 12 de maio de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 17 a 23 de junho
As mais lidas

"Anunciámos há algumas semanas que iríamos ter de reduzir cerca de 3.000 postos de trabalho e alguns deles provavelmente serão em Portugal", afirma o presidente executivo da Ryanair.

A companhia aérea Ryanair está a reavaliar a sua operação em Portugal, admitindo avançar com despedimentos e com a redução da frota no país, medidas que resultam da diminuição acentuada da procura provocada pela pandemia de covid-19.

Ryanair
Ryanair
Ryanair
Ryanair
Ryanair
Avião da Ryanair
Ryanair
Ryanair
Ryanair
Ryanair
Ryanair
Avião da Ryanair

"Anunciámos há algumas semanas que iríamos ter de reduzir cerca de 3.000 postos de trabalho em cerca de 15 a 16 mil funcionários e alguns deles provavelmente serão em Portugal, dependendo do número de aeronaves que lá tivermos [a operar]", afirma em entrevista à agência Lusa o presidente executivo da Ryanair, Eddie Wilson.

No dia em que a companhia aérea de baixo custo anuncia a retoma das suas operações em julho próximo, após mais de três meses com os aviões parados devido às restrições implementadas pelos países europeus para conter o surto de covid-19, o responsável frisa que a Ryanair está agora "a reavaliar as suas operações e a falar com os sindicatos" em Portugal.

"O nosso objetivo é ter acordos ou uma decisão tomada em breve", diz Eddie Wilson à Lusa, precisando que esta decisão será divulgada "nas próximas semanas".

Ainda assim, de acordo com o responsável, é já certo que "o que vai determinar esse número [de despedimentos] será o total de aeronaves baseadas em Portugal".

"Por cada aeronave que é retirada, são cortados cerca de 10 postos de trabalho de pilotos e aproximadamente 20 empregos na tripulação de cabine", exemplifica.

Questionado sobre quais serão as bases portuguesas mais afetadas, Eddie Wilson indica que a transportadora aérea baseada em Dublin, na Irlanda, está a "olhar para tudo".

"Temos uma operação substancial no Porto, uma operação relativamente pequena em Ponta Delgada, redimensionámos a operação em Faro, e operamos em Lisboa", elenca, sem pormenorizar.

A Ryanair avançou em 01 de abril passado com 'lay-off' simplificado em Portugal, considerando o recurso à medida como indispensável para a preservação dos postos de trabalho no país, de acordo com informação transmitida na altura aos sindicatos.

E ressalvando que a Ryanair ainda não está "no final desse exercício [de reavaliação]" sobre a sua presença em Portugal, assim como noutros países europeus, Eddie Wilson justifica desde já que este tipo de medidas tem por base a pandemia de covid-19, visto que "a indústria está em crise".

"Transportámos 150 mil passageiros em abril quando devíamos ter transportado 30 milhões", aponta o responsável, ressalvando a necessidade de a Ryanair "ajustar a sua atividade à nova realidade".

"E é isso que faremos quando voltarmos a voar", adianta.

E isso acontecerá a partir de 01 de julho, segundo anunciou hoje a transportadora, indicando ainda assim que a retoma está sujeita ao levantamento das restrições de viagem aplicadas aos voos no espaço comunitário.

"O que irá acontecer aqui é que vamos ter uma procura mais reduzida e é por isso que só retomamos com 40% da nossa capacidade, o que significa termos menos aviões e menos frequências [...] e, nestas situações, temos de ponderar despedimentos e cortes nalguns custos", adianta Eddie Wilson à Lusa.

Desde o início dos limites às viagens, aplicados em meados de março, a Ryanair só tem feito cerca de 30 voos por dia entre a Irlanda, o Reino Unido e a Europa, e espera agora passar para cerca de 1.000 ligações diárias, operando com menos frequências do que o habitual.

Anterior responsável pelo departamento de pessoal da Ryanair, Eddie Wilson é presidente executivo da companhia aérea de baixo custo desde setembro de 2019, tendo substituído no cargo Michael O'Leary, que passou a liderar todo o grupo.

Sediada na Irlanda, a companhia aérea Ryanair pertence ao grupo aeronáutico com o mesmo nome, que inclui também empresas como a Buzz, Lauda e Malta Air, transportando normalmente cerca de 150 milhões de passageiros por ano, num total de mais de 2.400 voos diários operados a partir de 82 bases na Europa e norte de África.

Liga cerca de 200 destinos em 40 países.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais