Como o sexo influencia os efeitos da covid-19

Como o sexo influencia os efeitos da covid-19
Diogo Barreto 11 de junho de 2020

A taxa de letalidade entre pacientes é superior para os homens na esmagadora maioria dos países, apesar de mulheres terem maior probabilidade de ficarem infetadas. Estudo aponta para respostas diferentes dos organismos.

Desde o início da pandemia, algures entre janeiro e fevereiro, que se constatou que os homens estão mais suscetíveis a desenvolverem sintomas graves causados pelo SARS-CoV-2 do que as mulheres. Novo estudo analisa as diferenças do vírus em organismos masculinos e femininos. 

Até ao momento mais de sete milhões de pessoas foram infetadas pelo novo coronavírus em cerca de seis meses, a um ritmo médio de mais de um milhão de novas infeções por mês. Um novo estudo revela que o sexo biológico do ser humano desempenha um papel determinante na evolução da covid-19 no organismo.

O estudo observou os efeitos da covid-19 em pessoas do sexo masculino, feminino ou intersexo (que tem uma anatomia reprodutiva que não é nem a tipicamente feminina ou masculina) e revela que a concentração de hormonas sexuais ou o tecido sexual têm influência na forma como a infeção se desenvolve no corpo humano.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais