António Costa alerta Europa para o protecionismo e defende investimento chinês

Negócios 03 de março de 2019

António Costa defende, em entrevista ao Financial Times, que a Europa de ter apostar mais na sua indústria, mas não deve fechar as suas portas ao investimento que vem de países como a China. E salienta que a experiência de Portugal "tem sido muito positiva".

Por Negócios - Jornal de Negócios

Numa altura em que os defensores do protecionismo têm aumentado o tom, António Costa deu uma entrevista ao Financial Times (de acessi restrito) onde defende que não se devem fechar as portas a investidores como os chineses, que têm "mostrado um respeito pleno" pelas leis e regras de mercado portugueses. E, nesta entrevista, deixa ainda recados à França e Alemanha: criar gigantes para fomentar a competitividade da Europa provenientes das maiores economias será um erro para a região. 

António Costa considera que a Europa não deve responder a Donald Trump com medidas igualmente protecionistas. "Uma coisa é fazer um controlo para proteger os setores estratégicos, outra coisa é abrir a porta ao protecionismo", defende, acrescentando que se deve fazer um escrutínio mais fino nos investimento estrangeiros que são feitos em áreas como a segurança e a defesa. Mas isso não deve ser usado como um pretexto para se discriminar os investimentos que vêm fora da União Europeia.  

 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login