Carrilho: "Só bebia por amor à Bárbara e para diminuir a dose dela"

C.A.C. 06 de fevereiro de 2017

Bárbara Guimarães não ouviu a longa declaração do ex-marido e abandonou a sala do tribunal. Carrilho disse à juíza que é "absolutamente inocente"

O ex-ministro da Cultura Manuel Maria Carilho pediu para ser ouvido durante a sessão desta segunda-feira do julgamento que o opõe a Bárbara Guimarães. O ex-governante é acusado de violência doméstica, crime que negou perante a juíza do caso, Joana Ferrer: Carrilho disse estar "absolutamente inocente", que a ex-mulher tem "problemas graves de alcoolismo" e que nunca agrediu a apresentadora da SIC. "Desde que conheço a Bárbara que lhe conheço nódoas negras", disse.

Bárbara Guimarães não ouviu a longa declaração do ex-marido – quando percebeu que Carrilho pediu para depor, a apresentadora quis abandonar a sala e o pedido foi concedido. "Estou há 40 semanas a ser julgado fora desta sala. Nunca agredi física ou psicologicamente a minha ex-mulher e os meus filhos. Fui alvejado pelas costas", disse o antigo ministro, que se emocionou várias vezes: "O que a Bárbara fez não tem perdão. Sou vítima de uma acusação de violência doméstica pela mulher que sempre amparei".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui