Duas horas nas ruas com Isaltino Morais

Duas horas nas ruas com Isaltino Morais
Octávio Lousada Oliveira 12 de agosto de 2017

Prisão? Condenação? Ninguém quer (mesmo) saber disso. O recandidato a Oeiras (32 anos depois da primeira vez) é mesmo popular, que a justiça não chega à política


O relógio marcava 12h12 de sexta-feira, 21, quando Isaltino Morais, acompanhado pelo assessor Francisco Gonçalves, percorria o Largo de São João, em Paço de Arcos. Acabara de distribuir beijinhos, abraços e a garantia de que nas autárquicas de 1 de Outubro não vai deixar que o concelho para o qual foi eleito pela primeira vez em 1985 continue adormecido quando um Smart preto parou ao seu lado, em plena estrada. Alex Monteiro baixou o vidro do carro, pôs o braço de fora e, não disfarçando o entusiasmo pelo encontro fortuito, dirigiu-se ao candidato.

– O melhor presidente de Oeiras, o senhor Isaltino Morais! Está tudo bem, senhor Isaltino?
– Estás bom, pá? – responde o ex-autarca.
– Tudo bem, senhor Isaltino? Você devia voltar.
– Está bem, pá. Vamos tratar disso, pá.
– Você é do povo, você é que é do povo. O senhor Isaltino é do povo já há muitos anos. Desde pequeno que conheço o senhor Isaltino. Isto é que é um senhor. Este homem é o Robin dos Bosques, é verdade!

Perante a gargalhada do homem que durante mais de duas décadas foi considerado o "autarca -mode lo" do PSD, a SÁBADO perguntou a Alex Monteiro: "Tira aos ricos para dar aos pobres, é isso?" O jovem, residente no bairro camarário de Pombal há 29 anos e que disse conhecer Isaltino "desde puto", respondeu: "Exactamente, exactamente! Isto é que vale a pena, isto é que é um senhor, não são os outros!"

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais