Covid-19: Transportes públicos podem entrar em rotura sem novos apoios

Lusa 23 de abril de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas

Grupos Transdev e Arriva apelaram à concretização da alocação de "recursos e medidas efetivas" ao setor, à semelhança do que aconteceu em outros países da UE.

Os grupos Transdev e Arriva alertaram hoje que o sistema de transporte público pode entrar em rotura face à covid-19, pedindo ao Governo novos recursos, medidas efetivas e um plano de acompanhamento.

Paulo Vila/Jornal de Barcelos

"A redução de 90% das receitas, acompanhada da manutenção da infraestrutura, serviços de apoio e postos de trabalho, todos essenciais à retoma que se seguirá, bem como as medidas de segurança sanitárias decretadas, resultam num défice insustentável no tempo e que poderão levar à rotura dos sistemas de transporte do país", apontaram a Transdev e a Arriva, num comunicado conjunto.

Assim, os dois grupos apelaram à concretização da alocação de "recursos e medidas efetivas" ao setor, à semelhança do que aconteceu em outros países da União Europeia, de modo a garantir a continuidade do serviço público de transporte e a sustentabilidade das empresas.

Por outro lado, sublinharam que a falta de um plano de acompanhamento "técnico, sanitário e económico para a mobilidade", associado ao processo de retoma, vai originar "impactos insustentáveis" que poderão levar à falta dos utilizadores no transporte público.

No documento, as duas empresas reconheceram ainda os esforços que o Governo tem feito para enfrentar a crise provocada pelo novo coronavírus, embora notem que as medidas apresentadas para o setor são "manifestamente insuficientes".

Os grupos Transdev e Arriva, que se dedicam ao serviço público de transporte de passageiros, contam com 3.500 trabalhadores.

Portugal regista 785 mortos associados à covid-19 em 21.982 casos confirmados de infeção, segundo o boletim de quarta-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, havia mais 23 mortos (+3%) e mais 603 casos de infeção (+2,8%).

Das pessoas infetadas, 1.146 estavam hospitalizadas, das quais 207 em unidades de cuidados intensivos, e o número de doentes curados aumentou de 917 para 1.143.

Portugal cumpre o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o decreto presidencial que prolongou a medida até 02 de maio prevê a possibilidade de uma "abertura gradual, faseada ou alternada de serviços, empresas ou estabelecimentos comerciais".

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais