Covid-19: CDS considera "uma injustiça" que exames do secundário não influenciem notas

Lusa 14 de abril de 2020
As mais lidas

Francisco Rodrigues dos Santos considerou que as novas regras relativas aos exames "prejudicam os alunos" porque as provas "não vão servir para aumentar as notas internas do ensino secundário".

O presidente do CDS-PP criticou hoje que os exames nacionais do ensino secundário não alterem as notas dos alunos, considerando que isso é uma "tremenda injustiça", e pedindo que se mantenha o sistema que vigorou até aqui.

Em comunicado enviado às redações, Francisco Rodrigues dos Santos considerou que as novas regras relativas aos exames, decretadas devido à pandemia de covid-19, "prejudicam os alunos" porque as provas "não vão servir, desta vez, para aumentar as notas internas do ensino secundário", e "valem apenas como específicas para o ingresso no ensino superior e só nessas condições podem ajudar a subir as médias".

"Esta decisão configura uma tremenda injustiça num triplo sentido", salienta o líder democrata-cristão, considerando que viola "as expectativas, o esforço e o investimento financeiro dos estudantes e das suas famílias, que fizeram a gestão do seu percurso letivo em função da estabilidade das regras de acesso ao ensino superior".

Também porque, "para muitos estudantes, a melhoria da classificação final por exame é a única opção viável de melhoria da sua média interna", aponta, acrescentando que esta alteração "introduz uma desigualdade face às anteriores e possivelmente às próximas gerações no sistema de ingresso no ensino superior".

Francisco Rodrigues dos Santos assinala igualmente "o CDS é sensível aos argumentos dos estudantes e reitera a manutenção do atual modelo de acesso ao ensino superior".

"Para milhares de jovens portugueses, a educação é a única oportunidade de quebrar ciclos geracionais de pobreza, atingindo o sucesso através do esforço e do mérito", advoga o presidente do CDS-PP, considerando que "a proteção do seu futuro e a segurança sobre o modelo de avaliação do seu desempenho escolar merecem que não se mudem as regras a meio do jogo".

O terceiro período letivo arranca hoje, mas a maioria dos alunos já não regressa à escola e continua a estudar à distância, uma vez o Governo decidiu suspender as aulas presenciais para todos os alunos do ensino obrigatório, admitindo apenas o eventual regresso às escolas dos alunos dos 11.º e 12.º ano, devido à pandemia da covid-19.

Este ano não vão realizar-se as provas de aferição do ensino básico e dos exames do 9.º ano, mantendo-se apenas os exames nacionais do 11.º e do 12.º anos que sejam necessários para o acesso ao ensino superior, provas que deixam de influenciar as notas dos alunos.

De acordo com o decreto que estabelece as novas regras, os alunos realizam exames finais nacionais apenas nas disciplinas que elejam como provas de ingresso para aceder ao ensino superior, e é ainda permitida a realização desses exames para melhoria de nota, sendo que o resultado obtido releva apenas como classificação de prova de ingresso.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 120 mil mortos e infetou mais de 1,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registam-se 567 mortos, mais 32 do que na segunda-feira (+6,%), e 17.448 casos de infeção confirmados, o que representa um aumento de 514 (+3%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais