O olhar informático
Ângela Marques Jornalista
20 de novembro

O olhar informático

Para o meu amigo nascido na segunda metade dos anos 90, não era possível eu não perder a paciência com a lentidão do portátil.

cara dele , quando ligou o portátil, foi um soneto. Ele não acreditava que eu lhe estivesse a pedir que instalasse uma placa de memória num computador que lhe parecia mais peça de museu do que um pisa-papéis. O meu portátil parecia-lhe uma máquina de escrever (se ele algum dia tivesse visto uma pessoalmente), até pelo barulho das teclas. O mais engraçado? Nem era com isso que ele estava mais chocado.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais