Pela força não há argumentos
Ana Rita Cavaco
19 de julho

Pela força não há argumentos

Vacinação obrigatória, sim ou não? Será este o tempo para uma pergunta deste género quando ainda temos tanto trabalho para fazer? Não.

Custa-me sempre constatar que vivemos num País que anda a reboque, que não rasga o seu próprio caminho, que espera os ecos vindos de fora para responder. É assim em quase tudo. Somos tendencialmente passivos e reactivos.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui