"Não Contes a Ninguém", a história de 382 padres pedófilos

Luís Naves 26 de novembro de 2019

"Não Contes a Ninguém", um documentário sobre os abusos de crianças por sacerdotes católicos e o encobrimento da hierarquia ao longo de décadas, chocou a Polónia. Mas a questão tornou-se também política.

Os bispos católicos da Polónia divulgaram em março um relatório com números alarmantes sobre crimes de abusos sexuais no seio da Igreja. O documento baseava-se em informação posterior a 1990, já que os arquivos anteriores estavam incompletos (a Igreja foi hostilizada pelos comunistas e procurou esconder os seus esqueletos). O retrato das três últimas décadas era trágico: foram identificados 382 pedófilos, incluindo 198 sacerdotes que tinham abusado de menores de 15 anos. Muitos violaram mais de uma criança e havia pelo menos 625 vítimas.

Os bispos reconheceram que esta era a ponta do icebergue, mas também procuraram justificar-se, alegando que o fenómeno atinge outros setores da sociedade. Os problemas da Igreja polaca não pareciam, no fundo, diferentes daqueles que ocorreram noutros países (Irlanda, Austrália, Alemanha, Estados Unidos), com a impunidade dos culpados que resultava da transferência dos padres predadores para outras paróquias, onde podiam manter-se em contacto com crianças.
Mas num país com uma tradição de catolicismo forte, estes factos foram chocantes. Na Polónia, 85% da população identifica-se como católica e um terço frequenta a missa pelo menos uma vez por semana. Em 2015, o episcopado polaco fizera já mea culpa, prometendo enviar os novos casos confirmados para a justiça secular e seguir as determinações dos Papas Bento XVI e Francisco sobre as situações de abuso. O processo culminou em novembro de 2018, após o escândalo causado por um filme de ficção, O Clero, que resultou num comunicado em que os bispos pediram "perdão a Deus, às vítimas de abusos sexuais, às suas famílias e a toda a comunidade da Igreja por todos os males infligidos às crianças e jovens por padres, religiosos e laicos trabalhando para a Igreja". Mas organizações independentes falaram da continuação de casos de encobrimento em pelo menos duas dezenas de dioceses.

O filme chocante
O verdadeiro escândalo rebentou a 11 de maio, quando surgiu no YouTube um documentário de duas horas, Não Contes a Ninguém, que incluía entrevistas a padres pedófilos obtidas por intermédio de câmara oculta. Da autoria de dois irmãos, Tomasz e Marek Sekielski, o filme mostra vítimas (agora adultas) a confrontarem os violadores, confissões dos culpados, mas também o encobrimento e a hipocrisia.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais