Covid-19: Portugal envia aparelho de testes para província angolana da Huíla

Lusa 26 de junho de 2020
As mais lidas

Além deste aparelho serão também enviados equipamentos acessórios de testagem, como reagentes, e Equipamentos de Proteção Individual.

A província da Huíla, em Angola, vai passar a poder fazer localmente testes à covid-19, no âmbito de um projeto de reforço da capacidade laboratorial apoiado por Portugal e que inclui também formação para profissionais de saúde.

Testes serológicos Covid-19
Testes serológicos Covid-19 Reuters

No âmbito do projeto, será instalado no laboratório da universidade Mandume ya Ndemufayo, na cidade do Lubango, um aparelho de PCR-RT, que foi hoje entregue, numa cerimónia simbólica, pelo diretor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa (IHMT-UNL), Filomeno Fortes, ao embaixador de Angola em Lisboa, Carlos Alberto Fonseca.

Além deste aparelho serão também enviados equipamentos acessórios de testagem, como reagentes, e Equipamentos de Proteção Individual (EPI's).

"Este equipamento tem uma capacidade para fazer 120 testes por dia e os resultados são conhecidos no máximo em 24 horas", disse aos jornalistas Filomeno Fortes, sublinhando a "mais valia" que representa passar a fazer os testes e a obter os resultados localmente e sem necessidade de envio das amostras para fora da região.

O reforço do laboratório é um dos primeiros resultados do trabalho da "task-force" montada há três meses para apoio aos países africanos lusófonos na luta contra a covid-19 pelo IHMT-UNL, Centro Ciência LP, Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e instituto Camões.

O projeto inclui ainda a realização de formação laboratorial para apoiar as unidades de saúde da província no diagnóstico da covid-19, bem como a participação em projetos de investigação no âmbito do combate às doenças infecciosas em África.

Na conversa com os jornalistas, Filomeno Fortes sublinhou ainda o papel central da província da Huíla na luta contra a propagação da doença, nomeadamente a partir de países vizinhos como a Namíbia.

"A Namíbia está com a situação de transmissão da doença a agravar-se e a província de Huíla funciona como província-tampão, dá apoio às províncias de Cunene, Cuango-Cubango e Namibe e a instalação deste laboratório vai permitir que o país possa começar a monitorizar" a doença naquela zona, disse.

O diretor do IHMT-UNL assinalou, por outro lado, que esta região de Angola começa agora a ter temperaturas mais baixas, o que deverá levar a um aumento das doenças respiratórias.

"É preciso haver capacidade para diagnóstico diferencial entre as doenças respiratórias e a covid-19. A província é a segunda mais populosa do país e com mais população idosa, portanto mais suscetível à pandemia", acrescentou o médico angolano e especialista em malária e doenças tropicais.

Para Filomeno Fortes, "o reforço da província da Huíla é fundamental para que o país possa continuar a manter o controlo da situação epidemiológica" da covid-19.

O reforço da capacidade laboratorial na província angolana resulta de uma ação conjunta com o Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto (CIBIO), que gere uma rede de laboratórios geminados (twinlabs) em África no âmbito da cátedra UNESCO "Life on Land".

O coordenador-executivo do CIBIO, Carlos Pereira, explicou que a organização está a reforçar e a readaptar a capacidade dos laboratórios que já tem no terreno para fazer testes à covid-19.

"Temos um laboratório central em Angola que está já a dar algum apoio aos pacientes, mas não lhe está a ser possível fazer testes. Os 120 testes feitos até à semana passada à população da província da Huíla foram enviados para Portugal", disse.

"A testagem tem sido mínima", apontou, adiantando que o laboratório da universidade Mandume ya Ndemufayo, que tinha inicialmente competência pedagógica e de formação, sofrerá "uma pequena readaptação" para, em conjunto com o hospital central, fazer testes de diagnóstico do novo coronavírus.

A iniciativa do IHMT-UNL, Ciência LP e FCT insere-se no Plano de Ação na resposta sanitária à pandemia covid-19 entre Portugal, os PALOP e Timor-Leste, coordenado pelo Camões - Instituto da Cooperação e da Língua (IC).

O presidente do instituto Camões, Luís Faro Ramos, também presente na cerimónia, sublinhou a importância da "parceria e solidariedade" entre Portugal e os países lusófonos no combate à covid-19, considerando que permitirá "ganhar outra escala" e "impulsionar outras ações de apoio" no futuro.

O plano de resposta sanitária à pandemia, anunciado na semana passada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, prevê a disponibilização de três milhões de euros para apoiar os PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) e Timor-Leste a combaterem a propagação da covid-19.

Para além dos três milhões de euros, o plano, que tem a duração prevista de um ano, envolve também a disponibilização de material médico e proteção individual, num total de cerca de 800 mil artigos e 95 ações de formação.

Angola ultrapassou, na quinta-feira, os 200 casos de covid-19, totalizando desde o início da pandemia 212 infetados, com dez óbitos, 121 casos ativos e 81 doentes recuperados.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais