Covid-19: Brasil aprova uso obrigatório de máscara no país

Lusa 20 de maio de 2020
As mais lidas

Uso da máscara será necessário em espaços "públicos e privados acessíveis à população", incluindo transportes públicos, enquanto durar a pandemia da covid-19.

O Plenário da Câmara dos Deputados brasileira aprovou na terça-feira o uso de máscara em todo o país, em espaços "públicos e privados acessíveis à população", enquanto durar a pandemia da covid-19.

Jair Bolsonaro máscara
Jair Bolsonaro máscara Reuters

As máscaras, artesanais ou industriais, serão também obrigatórias para circulação em vias e transportes públicos.

Segundo o texto aprovado, os órgãos públicos e as empresas autorizadas a funcionar durante a pandemia deverão fornecer máscaras aos seus funcionários, caso se trate de atendimento ao público. Os estados também deverão fornecer máscaras para todos os trabalhadores dos estabelecimentos prisionais.

A Administração Pública poderá também fornecer máscaras de proteção individual às populações economicamente vulneráveis, para que o uso da proteção esteja garantido.

Inicialmente, o projeto estipulava uma multa de 300 reais (47,7 euros) pelo imcumprimento da regra, ou o dobro em caso de reincidência, mas, durante a votação de alterações à proposta, os deputados decidiram que compete a cada estado ou município fazer a definição do valor.

A multa para os cidadãos mais pobres será dispensada nas localidades onde não houver distribuição gratuita de máscaras.

Os recursos arrecadados com as multas deverão ser utilizados no combate à pandemia.

Segundo o documento, fica dispensado o uso de máscaras por pessoas com autismo ou qualquer deficiência que impeça o uso adequado da proteção facial.

O texto exige ainda a realização de campanhas publicitárias informando para a necessidade do uso das máscaras e da maneira correta de serem descartas, tendo em conta as recomendações do Ministério da Saúde.

Com a aprovação na Câmara dos Deputados, o projeto seguirá agora para a apreciação do Senado.

O Brasil contabilizou pela primeira vez mais de mil mortos em 24 horas, num total de 1.179 óbitos e 17.408 infetados, o maior número diário registado desde o início da pandemia no país, informou na segunda-feira o executivo.

No total, o país sul-americano totaliza 17.971 óbitos e 271.628 pessoas diagnosticadas com covid-19, tornando-se no segundo país do mundo com o maior número de novos casos, apenas atrás dos Estados Unidos, segundo o portal Worldometer, que compila quase em tempo real informações da Organização Mundial da Saúde, dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, de fontes oficiais dos países, de publicações científicas e de órgãos de informação.

O Ministério da Saúde indicou que está ainda a ser investigada a eventual relação de 3.319 óbitos com a doença provocada pelo novo coronavírus.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 320 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais