Como a vacina para a covid-19 pode aprofundar ainda mais a crise no continente africano

Como a vacina para a covid-19 pode aprofundar ainda mais a crise no continente africano
Diogo Barreto 23 de novembro de 2020

A vacina não vai chegar ao mesmo tempo a todo o mundo e o atraso que terá em chegar a África vai exacerbar ainda mais as diferenças deste continente para os restantes.

Dois laboratórios anunciaram recentemente resultados positivos relativamente a uma vacina contra a covid-19. A Pfizer aponta que este ano terá já 50 milhões de doses e 1,3 mil milhões até ao final de 2021. Já a Moderna garante que vai ter 20 milhões de doses este ano e entre 500 e mil milhões de doses até 2022. Fazendo as contas mais optimísticas, são cerca de 2.370 milhões de vacinas. Ou seja, metade da população asiática. Estas contas mostram que não haverá, provavelmente, vacinas suficientes para todos os habitantes do planeta em 2022. E o continente que vai sofrer mais com essa escassez vai ser, de novo, África.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais