Pedro Nuno Santos: "A música agora é outra na TAP"

Jornal de Negócios 29 de abril de 2020

O ministro das Infraestruturas garante que qualquer intervenção na TAP implicará que o Estado "acompanhe todas as decisões que são tomadas com impacto na vida da empresa". Disse ainda que "a TAP sem intervenção pública não tem qualquer possibilidade de sobreviver”.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou esta quarta-feira no Parlamento que desde o primeiro momento em que Estado intervenha na TAP terá consequências. 

"Qualquer intervenção do Estado na TAP implicará que o Estado acompanhe todas as decisões que são tomadas com impacto na vida da empresa", afirmou o responsável na Comissão de Economia Inovação, Obras Públicas e Habitação. "A música agora é outra na TAP", disse, deixando claro que o Estado pretende vir a ter um papel na comissão executiva, que atualmente integra apenas elementos ligados ao acionista privado Atlantic Gateway. 

"É bom que estejamos conscientes que a missão é salvar a TAP e não nenhum acionista em particular", disse Pedro Nuno Santos. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais