O dinheiro chinês e a fuga na mata de Penafiel: as histórias dos adeptos do Aves

Tiago Carrasco 20 de maio de 2018

Viram o Desp. das Aves ser financiado por fábricas, a equipa a jogar em campos pelados e tiveram de se esconder na mata de Penafiel para não serem linchados. Hoje vão apoiar o clube na final da Taça de Portugal contra o Sporting

Francisca Coelho, de 19 anos, nunca vai esquecer a viagem que fez com a Força Avense, a claque do Desportivo das Aves, às Caldas da Rainha no passado dia 18 de Abril. "Sofremos o jogo inteiro, e quando marcámos o golo, no prolongamento, festejámos tanto que a vedação cedeu e as pessoas caíram umas para cima das outras", recorda.

Nessa partida, o Desp. Aves escreveu a mais memorável página dos seus 88 anos de história, ao bater por 2-1 o Caldas (3-1, nas duas mãos) e apurar-se pela primeira vez para a final da Taça de Portugal. Um feito ainda mais notável quando considerado o tamanho da vila do concelho de Santo Tirso: em 77 edições da final da Taça, apenas uma equipa, o Campomaiorense, de
Campo Maior, no Alentejo, representou uma povoação mais pequena do que Vila das Aves. E a diferença é apenas de dois habitantes: 8458 avenses contra 8456 raianos, segundo os censos de 2011.

Francisca foi atraída para o futebol aos 12 anos por meio da irmã mais velha, Joana, então namorada de um elemento da claque. "Os meus pais não acharam muita piada", confessa. "O meu pai já aceita e até nos acompanha nos jogos. Já a minha mãe continua preocupada com a violência e por estar sempre rodeada de rapazes". É certo que já teve de fugir das cadeiras e das pedras arremessadas pelos adeptos do Paços de Ferreira mas a maioria das partidas são pacíficas. Trabalha na sede da Força Avense, aberta ao público na central Praceta das Fontaínhas, e fundou com a irmã e com uma amiga as "Wondergirls", a falange feminina de apoio ao Desp. Aves, que soma 20 elementos. "Agora até as idosas da praceta vêm beber café à nossa sede", diz a avense, que tem tatuada no braço direito a data de fundação do clube – 1930.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais