Hemofilia: “O meu filho ficou duas semanas internado quando lhe nasceu um dente”

Susana Lúcio 17 de abril de 2018

A doença congénita da coagulação do sangue, que afecta um em cada 10.000 recém-nascidos em Portugal, torna as brincadeiras das crianças em actividades de risco.

Este artigo foi originalmente publicado no dia 28 de Fevereiro de 2018.

No Dia Mundial das Doenças Raras a SÁBADO falou com uma mãe de duas crianças com hemofilia. A doença, que ganhou destaque nos anos 80, 90 com o caso dos doentes hemofílicos contaminados com HIV nos hospitais públicos, afecta um em cada 10.000 recém-nascidos em Portugal e é, por isso, considerada uma doença rara.

Teresa Pereira pouco conhecia a doença quando o seu filho, Gonçalo, então com três anos, foi diagnosticado nas urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa. O susto inicial foi-se diluindo com a rotina dos tratamentos e, poucos anos depois, Teresa voltou a ser mãe.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais