Covid-19: As zaragatoas estão a ser substituídas por testes de saliva

As zaragatoas estão a ser substituídas por testes de saliva
Diogo Camilo 25 de agosto de 2020

A NBA serviu de cobaia para aprovar novas alternativas e o teste de saliva foi agora autorizado nos EUA. Um teste de saliva pode custar menos de 10 euros, é igualmente eficaz e evita a entrada de cotonetes de 15 centímetros no nariz.

O método para diagnosticar casos de Covid-19 é eficaz, mas doloroso e desconfortável. A zaragatoa é o novo pesadelo aliado à pandemia, um mal necessário para a confirmação de um infetado pelo novo coronavírus ou na eliminação de um caso suspeito. Um cotonete de 15 centímetros, ou mais, é inserido para além do nariz à procura de fluídos nasais para análise. Mas e se fosse necessário apenas um pouco de saliva para se saber se alguém está infetado?

Nos EUA a teoria já é realidade. Este mês, a agência federal norte-americana Food and Drug Administration aprovou dois testes que utilizam como amostra a saliva em vez de fluidos nasais. Em Portugal, médicos e investigadores também estão a trabalhar no desenvolvimento de um teste desse tipo, com resultados promissores.

Mas porque é utlizada a zaragatoa?

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais