UTAO: Gastos com salários derrapam, mas não será preciso orçamento rectificativo

Negócios 15 de novembro de 2018

A despesa com pessoal cresce acima do orçamentado, mesmo quando comparada com a revisão em alta do Orçamento de 2019. No investimento verifica-se o inverso: tem de acelerar para chegar à meta.

Por Tiago Varzim - Jornal de Negócios

Os gastos com salários são uma das poucas despesas do orçamento que estão a derrapar este ano. A pressão dessa despesa face ao que o Ministério das Finanças esperava levou a uma revisão em alta de 400 milhões de euros na estimativa que consta da proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE 2019). 

Apesar da derrapagem, Mário Centeno tem formas de acomodar esses gastos e, por isso, não será preciso um orçamento rectificativo, segundo a análise da UTAO à execução orçamental em contabilidade pública até Setembro, divulgada esta quinta-feira, 15 de Novembro.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui