Testemunha esquecida no julgamento da Máfia de Braga

CM 27 de setembro de 2017

Ajudou a controlar derrame de ácido após o homicídio.

Por Correio da Manhã

O julgamento da Máfia de Braga ficou ontem marcado pelos lapsos de memória de Carlos Alpiarça, um engenheiro que terá ajudado os arguidos a controlarem um derrame de ácido do bidão onde o corpo do empresário João Paulo Fernandes estava a ser dissolvido. A testemunha não conseguiu recordar-se do que relatou no inquérito, nomeadamente as conversas com os arguidos sobre o rapto e sobre o afastamento de Pedro Bourbon.

No Tribunal de São João Novo, no Porto, Carlos Alpiarça apenas admitiu que foi Emanuel Paulino que lhe ligou a perguntar como deveria controlar o derrame. "Eles estavam preocupados e eu sugeri que usassem areia", garantiu.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login