Covid-19

O que significa o gráfico "impossível" de Costa sobre o desconfinamento

O que significa o gráfico 'impossível' de Costa sobre o desconfinamento
Diogo Camilo 12 de março

António Costa apresentou o plano de desconfinamento através de quatro retângulos a vermelho, amarelo e verde. Portugal está no nível de risco mais baixo, só que a subida ao nível 2 é inevitável, o nível 3 é matematicamente impossível e o nível 4, que implica novo confinamento, foi a situação vivida em Portugal nos últimos 150 dias.

Portugal tem o índice de transmissibilidade da covid-19 mais baixo da União Europeia e o Governo quis usá-lo como barómetro para uma nova classificação de níveis de risco epidemiológico. Na apresentação do plano de desconfinamento a "conta-gotas", António Costa mostrou um colorido gráfico composto por quatro retângulos, com áreas vermelhas, amarelas e verdes, baseadas no R(t) e na incidência a 14 dias do vírus.


Um primeiro-ministro e um gráfico matematicamente impossível

Cada um destes retângulos representa uma zona de risco. A zona verde é a de mais baixo risco, em que a média de casos por 100 mil habitantes nas últimas duas semanas é inferior a 120 e o R é inferior a 1. As zonas intermédias, a amarelo, significam que apenas um destes dois campos é preenchido: ou a incidência inferior a 120 ou a transmissibilidade inferior a 1. A área vermelha é aquela em que estávamos no pico da terceira vaga. "Se chegarmos à zona vermelha, temos de voltar para trás", avisou Costa.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais