Ministro considera recorrer à "requisição civil" de meios aéreos

Ministro considera recorrer à 'requisição civil' de meios aéreos
Leonor Riso 28 de abril de 2018

Eduardo Cabrita participou numa sessão de formação sobre incêndios florestais e segurança das populações.

Eduardo Cabrita considera recorrer à requisição civil de meios aéreos "numa situação limite". Hoje, depois de uma sessão de formação sobre incêndios florestais e segurança das populações no Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais (CEIF) da Universidade de Coimbra, o ministro da Administração Interna confirmou que ia rescindir o contrato com a empresa Everjets, que era responsável pela operação e manutenção de três helicopteros Kamov.

"Vamos recorrer a mecanismos nacionais, a mecanismos internacionais de várias origens. Vamos ponderar todas as soluções, até, numa situação limite, a requisição civil de meios aéreos", garantiu o ministro da Administração Interna.

Cabrita atirou ainda várias críticas à Everjets. "O que está em causa é uma verificação reiterada de incumprimento e incapacidade que é determinada pela Autoridade Nacional de Protecção Civil", afirmou. "As aeronaves estão paradas desde Janeiro e a empresa já foi multada em cinco milhões de euros por incumprimento do contrato".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais