Líder do CDS compara vandalismo a estátua do Padre António Vieira com talibãs e Estado Islâmico

Líder do CDS compara vandalismo a estátua do Padre António Vieira com talibãs e Estado Islâmico
SÁBADO 12 de junho de 2020

Francisco Rodrigues dos Santos considera que autores do ataque à estátua só estão interessados em julgar o passado à luz de ideologias presentes, recorrendo ao "anacronismo e à aplicação de um critério de julgamento moral do passado".

O presidente do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, não teve dúvidas em considerar que a vandalização da estátua de Padre António Vieira, em Lisboa, se pode comparar a atos perpetrados pelos talibãs e o Estado Islâmico contra símbolos culturais não islâmicos.

Dizendo que é necessário defender a história portuguesa, protegendo-a dos "manipuladores e do terrorismo cultural", numa publicação na rede social Facebook, o líder centrista considerou "urgente" dar resposta aos "vândalos" e fazer com que a lei e a ordem se cumpram.

O presidente do CDS-PP caracterizou esta vandalização de "cobarde", considerando que a estes "destruidores de estátuas não move qualquer intuito de debate". "A maioria é movida pela cultura do ódio, pela ignorância e por agendas que pretendem fazer um insulto gratuito à nossa história", vincou.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais