Genro de Cavaco Silva acusado de benefícios no BPN

Leonor Riso , Alexandra Pedro 06 de setembro de 2016

Depois de a SÁBADO ter revelado o caso em 2011, O nome de Luís Montez é agora citado no livro lançado por Fernando Lima, antigo assessor do ex-Presidente da República

Luís Montez "beneficiou" das mesmas facilidades que o antigo Presidente da República no BPN, mas ao contrário do que aconteceu com Cavaco Silva, não era "permanentemente fustigado" pelo Partido Socialista. Depois de em 2011 a SÁBADO ter avançado que o genro do antigo Presidente da República tinha renegociado uma dívida de 260 mil euros com o BPN, agora é Fernando Lima, antigo assessor de imprensa de Cavaco Silva, quem o escreve em "Na sombra da Presidência", livro que hoje é citado no jornal i. 

"Não me surpreendeu o apoio público de Montez a Costa. Em 2009 revelou que votara nele para a Câmara de Lisboa e, depois, tornou-se numa espécie de organizador oficial dos festivais promovidos e financiados pelo município", acrescenta ainda Fernando Lima, analisando as ligações de Montez ao Partido Socialista. E prossegue: "Há algum tempo que Montez pescava nas águas socialistas e, na sua fulgurante ascensão, o apoio a António Costa [em 2014] era o passo que lhe faltava dar".

Na Sombra da Presidência
é o nome do livro que relata os dez anos em que Fernando Lima trabalhou ao lado de Aníbal Cavaco Silva e a forma como a relação, "que se foi definhando", terminou. 

O assessor do antigo Presidente da República conta que a relação entre os dois foi-se degradando depois de ter começado o caso das escutas. Na altura, Fernando Lima foi afastado do cargo depois de se tornar público que tinha sido ele a estar na origem da notícia que avançava que Belém suspeitava estar a ser vigiada. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais