Denúncia contra presidente da Raríssimas desapareceu da Segurança Social

Cátia Andrea Costa 11 de dezembro de 2017

Carta que relata uma viagem ao Brasil alegadamente paga pela IPSS, tal como um spa ou o aluguer de um carro foi enviada com aviso de recepção.

A presidente da Raríssimas, Paula Brito da Costa, foi denunciada ao Instituto da Segurança Social no início deste ano, numa carta que terá desaparecido. Na missiva, eram questionadas viagens e gastos da também presidente Federação das Doenças Raras (FEDRA)- é também referido o aluguer de um carro de luxo.

Segundo a TVI, a carta foi enviada a 12 de Janeiro de 2017, registada e com aviso de recepção, para a unidade de desenvolvimento social do Instituto da Segurança Social e também para o Instituto Nacional para a Reabilitação, tutelado pelo Ministério do Trabalho.

A missiva foi enviada pela então secretária da FEDRA Piedade Líbano Monteiro, sendo referidas uma alegada viagem ao Brasil de Paula Brito da Costa com o marido paga pela referida federação, ou um spa no valor de quase 400 euros.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais