Emprego: Só a Grécia é pior do que Portugal

14 de dezembro de 2012

Sociedade

O número de pessoas com emprego em Portugal caiu 4,1% no terceiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2011, um recuo superior à média da zona euro, que foi de 0,7%, indica o Eurostat.

Portugal manteve a tendência de queda, ainda que o recuo tenha sido ligeiramente inferior às quebras de 4,2% registadas nos dois primeiros trimestres deste ano.

Entre os Estados-membros sobre os quais há dados disponíveis, a maior queda no emprego pertenceu à Grécia (-8,9%), seguindo-se Portugal e Espanha (-4,1% em ambos).

Já em países como a Letónia ( 3,4%), o Reino Unido ( 1,8%) e Estónia (1,2%) o emprego aumentou, indicam os dados divulgados pelo gabinete de estatística da União Europeia (UE).

No conjunto dos 27 Estados-membros, o emprego recuou 0,5% no terceiro trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado.

Na comparação com o segundo trimestre deste ano, o número de pessoas com emprego diminuiu 0,2%, tanto na zona euro e como na UE.

O emprego caiu na maioria dos sectores, com a construção a registar a maior descida (-1,5% na zona euro e -1,3% na UE).

Em Portugal foi registado um decréscimo de 0,4% no terceiro trimestre relativamente aos três meses anteriores, acima do recuo de 0,2% do segundo trimestre, mas abaixo da queda de 1,2% dos primeiros três meses deste ano.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais