As imagens que nos sustentam
Pedro Marta Santos
19 de janeiro

As imagens que nos sustentam

Agrilhoados ao tédio, prisioneiros de sofá, esquecemo-nos de que o nosso destino foi mais doce do que imaginámos. Porque a nossa cela tem janelas largas, laptops, TV por cabo, streaming e takeaway

FORAM as imagens que nos sustentaram como amas de leite em 2020. Agrilhoados ao tédio, prisioneiros de sofá, esquecemo-nos de que o nosso destino foi mais doce do que imaginámos. Porque a nossa cela tem janelas largas, laptops, TV por cabo, streaming e takeaway. Guerra, emergência? Só quem nunca passou por uma ou experimentou a outra é que se atreve a mencionar ambas franzindo as sobrancelhas. Somos flores de estufa, num terreno difícil e minado, é certo. Mas as imagens que nos enfastiaram, por serem a única saída, jamais devem ser menosprezadas. No grande fluxo do seu movimento, há as que provocam e as que confortam. Nunca precisámos de todas tão intensamente durante tanto tempo. Quando pensadas com ternura (ou fúria) e trabalhadas com talento (ou génio), são elas que nos salvam. Esse resgate tem sido literal. Mas não foi sempre assim quanto à consciência ou ao espírito? Estas foram as imagens que mais me sustiveram os passos no ano que passou. Mesmo quando a caminhada era sonhada e o ar rarefeito. Espero que vos voltem a trazer alguma luz em 2021:

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais