O problema da unidade das direitas
José Pacheco Pereira Professor
02 de junho

O problema da unidade das direitas

Dêem-se as voltas que se quiserem, a reunião MEL tinha um objectivo: criar uma frente contra o Governo PS, para o que é preciso capturar o PSD e varrer qualquer centro-reformista e moderado.

A questão de fundo é outra: há uma contradição entre o ascenso ideológico e comunicacional e a queda política e social. A excepção é um problema e chama-se Chega. Não sabendo muito bem o que fazer com o recém-vindo, oscila-se entre o convite para entrar para o clube e a recusa do pestífero por razões de conveniência. O primeiro movimento é o dominante, todos os dias o Chega vai ao mercado da respeitabilidade, e quase toda a gente que esteve no MEL dá-lhe os salvo-condutos de que eles precisam para ter um pé nos salões e outro nos ginásios e na bagarre de rua. Honra aos que percebem ao que ele vem, e como genuínos conservadores não querem pactos com o Diabo. Como genuínos conservadores não há muitos à direita, são uma minoria de uma minoria. A maioria dos do MEL, gostaria imenso que o Chega se "civilizasse", porque à falta do PSD e face ao descalabro do CDS, os votos em Ventura são precisos, e por isso "civiliza-o" permitindo o acesso aos lugares da política respeitável e às companhias legitimadoras.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais