O 25 de Abril fez-se para quê?
Eduardo Dâmaso Director
11 de junho

O 25 de Abril fez-se para quê?

Medina é apenas mais um dos rostos dessa forma de fazer política que, aceitando um mecanismo de pura delação política, de pura bufaria política, está a corroer a democracia dentro das próprias instituições.

Quando uma câmara municipal com a importância da de Lisboa não é capaz de acautelar uma questão potencialmente lesiva de direitos fundamentais, sejam eles titulados por cidadão português ou estrangeiro, estamos perante muito mais do que um lapso lamentável, como disse o presidente do município, Fernando Medina, sobre a transmissão de dados pessoais dos organizadores de uma manifestação contra o regime de Putin. Esta falha nunca seria admissível em qualquer cenário, muito menos na Câmara Municipal de Lisboa, seja ele mais o resultado de uma inadmissível rotina burocrática do que de uma insuportável e inverosímil opção política.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais