Vacina, Amor e Democracia
Ana Rita Cavaco
30 de dezembro de 2020

Vacina, Amor e Democracia

Vacinar é assistir ao triunfo da Democracia. Quem vacina não distingue ricos de pobres, doutorados de analfabetos, directores de subordinados. Não há raças, credos ou patentes. Vacinar é igualar em dignidade todas mulheres e todos os homens, porque o sucesso da vacinação em massa é o triunfo da civilização sobre a barbárie. O sucumbir do medo às mãos da ciência.

Ana Isabel Ribeiro foi a primeira enfermeira em Portugal a vacinar contra a covid-19. Na sua mão, a esperança de um País inteiro e o compromisso de toda uma classe profissional. À chamada, os enfermeiros voltaram a estar na primeira linha do serviço à comunidade. Foi assim agora, tal como aconteceu nos últimos 55 anos desde que foi lançado o Programa Nacional de Vacinação.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui