Linguagem Corporal são os sintomas, não a causa
Alexandre Monteiro Profiler
11 de fevereiro

Linguagem Corporal são os sintomas, não a causa

Decifrar pessoas começa por fazer a leitura dos sinais não verbais diretamente ligados ao indivíduo, como a linguagem corporal, as expressões e o tom de voz, conjuntamente com os sinais não verbais indiretamente ligados ao indivíduo, como o ambiente em que se insere ou que constrói.

Decifrar pessoas é o poder de descobrir verdades escondidas sobre elas, através de métodos e técnicas ensinadas pelas maiores escolas de espionagem mundiais e partilhadas por agentes de espionagem de todo o mundo, como CIA, FBI, MOSSAD, MI6, e pelos melhores especialistas em comportamento humano, como psicólogos, especialistas em inteligência militar, neurobiólogos, mentalistas, neurologistas, hackers, cientistas e investigadores das melhores universidades.

Quero ensinar-lhe a resolver o puzzle humano e revelar-lhe as regras mais escondidas do comportamento humano. Como dizia Sherlock Holmes: «O mundo está cheio de coisas óbvias que ninguém vê.». Decifrar Pessoas não se limita a decifrar os sinais, é muito mais do que isso, é ler o mais profundo da essência através das mais variadas ciências, nós somos seres multidisciplinares, não podemos olhar para uma pessoa como só sendo Linguagem Corporal, biologia ou psicologia, porque podemos cair no viés da profissão,como por exemplo numa consulta com a cardiologista é muito natural que todos os sintomas vão ser percebidos através do olhar da cardiologia, fazendo esta análise só conseguimos compreender uma ínfima parte pessoa.

A arte e a ciência de Decifrar Pessoas ajuda a compreender a mente humana e, quando começar a entender a sua estrutura, irá tornar-se muito mais simples ter uma visão única sobre si e sobre os outros, melhorar o seu poder de observação, promove a precisão de análise e previsibilidade de comportamentos, descobre inseguranças, necessidades, pontos de desconforto, interesses, medos, mensagens, por detrás das palavras, detetar a probabilidade da mentira ou anomalias, desvenda crenças escondidas, percebe a manipulação, em todos os contextos de interações humanas, sejam elas presenciais, online e até por telefone e não interessa se é rica ou pobre, pai, mãe ou filho, presidente ou colaborador.

Vamos iniciar a processo de Decifrar Pessoas pelos sintomas, através da linguagem corporal e terá de passar pelo mesmo processo de aprendizagem como quando frequentou o primeiro ano de escola. Aprendeu primeiro o a-e-i-o-u e, só depois, o abecedário. Durante o processo começou a juntar as letras para formar palavras e, só no final, começou a juntar palavras para elaborar um texto. Decifrar pessoas através da linguagem corporal partilha um processo de aprendizagem semelhante: terá de aprender primeiro os sinais mais simples e importantes e os seus possíveis significados e só depois poderá começar a juntá-los para poder fazer uma leitura mais precisa das intenções ou dos pensamentos das pessoas. Lembre-se de que um gesto, movimento ou expressão facial poderá ter vários significados e depende do contexto em que decorre.

Podemos dividir os sinais não verbais em cinco categorias:

  1. Símbolos — Movimentos usados em vez de palavras com significado facilmente percetível (por exemplo, dizer OK levantando o polegar para cima).
  2. Ilustradores — Movimentos que acompanham a fala para ilustrar o que se diz (por exemplo, contar até quatro e mostrar os quatro dedos). Qualquer tipo de movimento corporal que desempenha um papel auxiliar na comunicação não verbal é um ilustrador.
  3. Reguladores — Movimentos relacionados com a função da fala e da audição e que indicam as intenções (por exemplo, acenar com a cabeça, olhar mais intensamente, mudar de postura); gestos que regulam a interação; movimentos feitos por quem fala ou por quem ouve com a finalidade de demonstrar atenção, interesse ou domínio.
  4. Pacificadores — Movimentos que servem para se acalmar em situações de desconforto ou de nervosismo (por exemplo, tamborilar com os dedos, afastar o cabelo, brincar com um anel).
  5. Indicadores — Movimentos semelhantes aos ilustradores, no sentido em que também acompanham as palavras, mas que diferem num aspeto: refletem o estado emocional em que se encontra a pessoa no momento (por exemplo, conforto, desconforto, ansiedade, medo, fuga).


Decifrar pessoas começa por fazer a leitura dos sinais não verbais diretamente ligados ao indivíduo, como a linguagem corporal, as expressões e o tom de voz, conjuntamente com os sinais não verbais indiretamente ligados ao indivíduo, como o ambiente em que se insere ou que constrói, seja o escritório, a casa, o carro, o local de trabalho ou a manipulação de objetos.

Nas próximas semanas  vou começar a abordar o dicionário com os possíveis significados dos sinais e pistas não verbais, referir como os otimizar, quando deve utilizá-los e somente aqueles que, após investigação, confirmei serem simples de detetar e conterem informação útil. Sempre com a premissa de que a simplicidade não é acrescentar mais coisas para algo ser perfeito, mas sim retirar tudo o que não faz falta. Vamos  começar por abordar os sinais não verbais da zona da cabeça, depois do tronco e dos membros interpretação dos toques e dos sinais não verbais do ambiente, até chegar à mestria de conhecer e decifrar uma pessoa como um profiler ou espião.

Mais crónicas do autor
18 de fevereiro

1.ª Lei de um decifrador

Antes de decifrar sinais, gestos, movimentos ou microexpressões temos de compreender qual a origem desta necessidade de amor ou o que nos coloca em dor.

11 de fevereiro

Linguagem Corporal são os sintomas, não a causa

Decifrar pessoas começa por fazer a leitura dos sinais não verbais diretamente ligados ao indivíduo, como a linguagem corporal, as expressões e o tom de voz, conjuntamente com os sinais não verbais indiretamente ligados ao indivíduo, como o ambiente em que se insere ou que constrói.

04 de fevereiro

O poder da primeira impressão

Julgamos as pessoas tão rapidamente que a nossa mente consciente nem sequer tem tempo de se envolver, o nosso cérebro questiona-se com base em comparações e em suposições, verificando se a pessoa é amiga, ameaça ou indiferente.

28 de janeiro

Torne-se um observador melhor

A observação é como se de um músculo se tratasse, temos de a treinar para ficar mais forte e criar um método para a tornar mais eficaz.

21 de janeiro

Decifrar e Conquistar Pessoas é para tod@s

Lembra-se dos gestos que fez há cinco horas? Há dez minutos? E há dez segundos? Provavelmente não se lembra, porque 90% da linguagem corporal é inconsciente.

Mostrar mais crónicas