Ladrão destruiu quadros de Picasso e de Matisse

Susana Lúcio 31 de janeiro de 2017

Um homem, acusado de ter roubado cinco obras-de-arte, avaliadas em mais de 93 milhões de euros, garante tê-las atirado para o lixo

Três pessoas começaram ontem a ser julgadas em paris, França, acusadas pelo roubo de cinco quadros, levados em 2010 do Museu de Arte Moderna de Paris. As obras de Picasso, Matisse, Modigliani, Braque e Fernand Léger nunca foram encontradas e agora, um dos arguidos garantiu tê-las destruído.

"Atirei-os para o lixo", disse Yonathan Birn, um dos arguidos, em lágrimas ao tribunal. "Fiz o pior erro da minha vida."

Mas nem o tribunal, nem os outros dois arguidos, acreditam que Birn tenha realmente destruído as peças. O líder do trio de assaltantes, Vjeran Tomic, conhecido pela imprensa francesa como ‘homem-aranha’, já foi condenado por 14 assaltos e admitiu ter roubado os quadros. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais