Shakespeare feminista nas Ruínas do Carmo

O início é misógino, mas uma personagem vira tudo do avesso, com argumentos à frente da sua época. “É a peça mais feminista do autor”, diz António Pires sobre Muito Barulho por Nada, que encena.

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 11 a 17 de agosto
As mais lidas GPS
Rita Bertrand 03 de agosto
“Beatriz repudia a subjugação das mulheres, pondo em causa o casamento, que na altura era um negócio para unir reinos ou terrenos”, resume o encenador
“Beatriz repudia a subjugação das mulheres, pondo em causa o casamento, que na altura era um negócio para unir reinos ou terrenos”, resume o encenador Miguel Bartolomeu

Não é acaso que Shakespeare seja autor recorrente nas encenações de António Pires destinadas ao Convento do Carmo, em Lisboa – uma por ano, em pleno verão: "Apresentar clássicos na íntegra a um público que nunca os viu, nem sequer o Romeu e Julieta" faz parte da linha programática do Teatro do Bairro, de que é diretor e que coproduz estas criações.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana