A mulher mais perigosa da América

Nenhum balanço do século XX pode ignorar Emma Goldman, que em 1931 publicou a autobiografia 'Viver a Minha Vida', agora traduzida em Portugal. Mas quem foi esta mulher que o ativismo anarquista, longe da academia, fez filósofa política?

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 30 de junho a 6 de julho
As mais lidas GPS
Eduardo Pitta 28 de janeiro
gettyimages

Nascida na Lituânia no seio de uma família judaica, Emma tinha 16 anos quando foi para os Estados Unidos, fixando-se primeiro em Rochester e anos mais tarde em Nova Iorque, cidade onde fez a sua formação junto das comunidades de imigrantes russos e alemães. Piotr Kropotkin, teórico do anarcocomunismo, seu amigo, foi uma permanente fonte de inspiração.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana