Entrevista
Luca Argel

“O samba sempre arruma alguma brecha de contestação”

Filipa Teixeira 24 de fevereiro
Biografia Nome:

Luca Argel

Cargo:

Músico

Nascimento:

5 de junho 1988

Nacionalidade:

Brasileiro

Entre clássicos mais e menos conhecidos, Luca Argel rendilhou o guião de Samba de Guerrilha, o seu quarto álbum que chega agora ao digital e em formato físico num jornal ilustrado.

Nelson Rodrigues costumava dizer que o primeiro clássico Fla-Flu começou quarenta minutos antes de Nada, em um tempo imemorial, não acessível ao comum dos mortais. Luca Argel, partindo da fala do cronista, acredita que o samba, qual "divindade", apareceu também muito antes do primeiro sambista tomar a palavra.

Foi a navegar pela história centenária deste género de origens "populares, pobres e negras" que o músico brasileiro, residente há quase dez anos em Portugal, desaguou em Samba de Guerrilha, um projeto que mistura versões contemporâneas de temas clássicos, intercaladas por narrações da escritora e música Telma Tvon, sempre amparadas por uma sonoplastia que nos situa nos lugares e tempos descritos.

É este conjunto de faixas – ditas e cantadas – que nos guia na travessia de 42 minutos do álbum, que começa com um quase desconhecido Alfredo Português, o sambista de Alfama que viajou para o Rio de Janeiro no início do século XX, e que termina em Uma História Diferente, de Paulinho da Viola.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
A Newsletter Geral no seu e-mail
Tudo o que precisa de saber todos os dias. Um resumo de notícias, no seu email. (Enviada diariamente)