Património Mundial

08 de julho de 2019

Real Edifício de Mafra é Património Mundial.

O Real Edifício de Mafra (Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco e Tapada) está, a partir de hoje, inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO, na sequência da deliberação do Comité do Património Mundial, reunido na sua 43.ª sessão que está a decorrer em Baku (Azerbeijão).
Para o Presidente da Câmara Municipal de Mafra, Hélder Sousa Silva, este é "um momento histórico para os mafrenses e para os portugueses, constituindo um motivo de orgulho e um compromisso de futuro". Traduzindo o orgulho da comunidade, declarou que "o monumento que é a síntese em ‘pedra e mármore’ da cultura Barroca europeia não só marcou para sempre a identidade do concelho, como constitui a razão pela qual Mafra se encontra incluída, desde a primeira metade do século XVIII, nos itinerários culturais, religiosos, turísticos e académicos como símbolo de arte de expressão internacional". Fundamentando o apelo ao compromisso, explicou que "este reconhecimento constitui, mais do que um ponto de chegada, um ponto de partida, tanto para uma renovada consciencialização coletiva para a proteção acrescida do bem, no profundo respeito pela sua magnificência e pela plena fruição pública, como para a introdução de novas dinâmicas, posicionando-o como um local de (re)encontros: dos mafrenses com a sua história; dos nacionais e estrangeiros com um conjunto patrimonial diversificado na tipologia, mas único no conceito".

Nas palavras do Diretor do Palácio Nacional de Mafra, Mário Pereira, "A inevitabilidade de um reconhecimento não poderia, nem deveria ser protelada. Mafra e o seu monumento há muito que mereciam esta inscrição na lista do Património Mundial".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login