Lisboa e Algarve não estão imunes ao sarampo

Lisboa e Algarve não estão imunes ao sarampo
Diogo Barreto 05 de dezembro de 2018

Relatório mostra as discrepâncias a nível regional relativamente a vacinação. Taxa de vacinação deve estar acima dos 95% para garantir imunidade.

Nos agrupamentos de centros de saúde de Lisboa e do Algarve menos de 95% das crianças recebe a última dose das vacinas contra o sarampo, papeira e rubéola. 95% é a "percentagem desejável para assegurar a protecção da comunidade contra o sarampo, através da chamada imunidade de grupo". Isto quer dizer que a população da capital e do Algarve não estão totalmente protegidas contra o sarampo, como alerta o segundo estudo que o Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais