Jorge Molder: “Era um menino da mamã, mas bastante independente”

Jorge Molder: “Era um menino da mamã, mas bastante independente”
Rita Bertrand 10 de fevereiro de 2014

Jorge Molder estudou Filosofia, mas foi a fotografar-se que se destacou. É o autor de uma exposição que celebra o 10º aniversário da SÁBADO

Começou por dizer que não falava da infância nem da família, "porque não tem interesse, além de ser privado". Mesmo assim, Jorge Molder – que inaugurou, no âmbito do décimo aniversário da SÁBADO, a exposição Paradeiro Desconhecido, constituída por cinco fotografias inéditas, com 8 metros por 3, criadas para outdoors da Av. das Forças Armadas, em Lisboa – revelou-nos alguns detalhes da sua vida. 

Nasceu em Outubro de 1947, em Lisboa. Viveu sempre na cidade? 
Sim, reconheço-me como um lisboeta típico, cresci em Lisboa e nunca senti vontade nem necessidade de morar noutro lado. 

Como aconteceu a sua aproximação à arte? 

É tão antiga como eu, o meu pai era um homem culto e que possuía obras de arte. No corredor do meu atelier está Retrato do Artista Quando Jovem, de Alberto de Souza, dos anos 40. 

A sua carreira artística só começa, porém, em 1977, com 30 anos, já depois de se formar em Filosofia, de fazer a tropa e de estar a trabalhar em Psicologia, nos serviços prisionais do Ministério da Justiça. Na juventude, a arte não lhe interessava? 
Pelo contrário, vivi uma juventude muito ligada às coisas artísticas que iam acontecendo no País, às primeiras galerias, nos anos 60, e à Sociedade Nacional de Belas-Artes, onde tinha amigos. E já fazia fotografia, mas não mostrava. Ao nível internacional, a informação não circulava de forma tão imediata, mas havia facilidade em adquirir publicações estrangeiras: aos 18, 19 anos, passava dias e dias metido naquele antro fascinante que era a Livraria Buchholz, no tempo da dona Katharina Braun, onde tinha acesso a um quotidiano bem diferente do País dessa altura, cinzento e fechado.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais