PSP e MP falham na proteção de mulher morta pelo ex-companheiro

CM 19 de dezembro de 2018

Vítima estava sinalizada com avaliação de risco elevada, mas não foram definidas medidas de proteção ou de afastamento do agressor.

Por Lusa - Correio da Manhã

Uma mulher morta pelo ex-companheiro em 2017 tinha feito queixa à polícia, mas nunca teve estatuto de vítima atribuído e, apesar de uma avaliação de risco elevada, não foram definidas medidas de proteção ou de afastamento do agressor.

O caso, ocorrido no ano passado, foi analisado pela Equipa de Análise Retrospetiva de Homicídio em Violência Doméstica, que concluiu que, apesar de a vítima ter sido "proativa na busca de proteção", "não foi cumprido nenhum dos preceitos legais identificados" e a "atuação das entidades judiciárias [caracterizou-se] pela ausência de atuação".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login