Para o "deus" do petróleo, ficou mais difícil prever oferta

Negócios 17 de dezembro de 2018

Andy Hall, que ganhou o apelido de "deus" depois de apostas incrivelmente certeiras no mercado de petróleo, admitiu que o crescimento da produção de petróleo de xisto nos EUA dificultou bastante o trabalho de prever a oferta global desta matéria-prima.

Por Bloomberg - Jornal de Negócios

Os produtores desta área são muito mais reactivos a oscilações nos preços do que os exploradores convencionais e não é fácil determinar como "milhares" de decisões de perfuração terão impacto na oferta global, disse Hall, de 68 anos, em entrevista à Bloomberg TV.

Os profissionais do mercado não conseguem avaliar a produtividade de plataformas e poços, que são factores importantes na Bacia do Permiano, no oeste do Texas e no estado americano do Novo México.

"Antigamente, dava para prever com alguma confiança o lado da equação referente à oferta futura, tirando eventos políticos globais", lembra. Agora "não temos uma percepção certa sobre muitas variáveis".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login