Investidor que consegue retorno de 20% ao ano tenta eliminar vantagem

Negócios 06 de janeiro de 2019

David Webb demitiu-se aos 33 anos e enriqueceu a investir em Hong Kong, agora quer partilhar a formula para se enriquecer neste mercado.

Por Bloomberg - Jornal de Negócios

Quem é craque em escolher ações faz o que pode para se manter à frente da concorrência. Não é mais o caso de David Webb, que atuava no Barclays.

 

Não que David Webb seja contra ganhar dinheiro. Após gerar um retorno anual de aproximadamente 20% com os seus investimentos pessoais em ações de Hong Kong desde 1995 – mais do dobro do principal índice do mercado acionista local -, ele parece contente após acumular uma fortuna de pelo menos 170 milhões de dólares.

 

O que incomoda Webb é a origem deste desempenho superior. Na sua perspetiva, só foi possível superar de longe o mercado acionista de Hong Kong por causa da fraca governança corporativa e da supervisão regulatória deficiente.

 

Embora Hong Kong tenha uma classificação favorável em pesquisas internacionais sobre corrupção e facilidade para fazer negócios, diversos escândalos corporativos e oscilações violentas nos preços das ações de empresas mais pequenas abalaram o mercado acionista local nos últimos anos. A razão entre preço e lucro divulgado das componentes do Hang Seng Index está abaixo de 10, uma das menores do mundo.

 

"Pense em mim como um ótimo mecânico a andar por um pátio de carros usados, sem garantias, todos eles com desconto no preço por causa do risco de serem maus, explicou Webb num discurso recente na Universidade de Hong Kong. Ao evitar os ativos maus e "obter desconto substancial nas boas empresas, consegui uma performance melhor’’.

 

Webb quer ajudar o público a escapar dos maus ativos de Hong Kong. Nos últimos 20 meses, aconselhou leitores do seu popular website a manter a distância de mais de 75 empresas com ações negociadas em bolsa. Muitas delas acabaram por ser alvo da maior operação já feita pela agência reguladora de valores mobiliários de Hong Kong. As empresas que Webb colocou na lista a ser evitada perderam 16 mil milhões de dólares em valor de mercado desde o alerta do investidor.

 

Webb não ganha dinheiro com as suas recomendações, que ocupam metade do seu tempo. Aos 53 anos e numa situação financeira para lá de confortável, o investidor aceita distribuir gratuitamente as suas análises, mesmo que isto acabe com a sua carreira como um dos melhores do mundo na seleção de ações.

 

"Não quero chegar ao fim da vida e pensar que fui um ótimo investidor, que me diverti, mas não contribuí para o avanço da condição humana’’, admitiu numa entrevista no seu escritório, no bairro de Mid-Levels.

 

Webb revelou as diretrizes básicas da sua estratégia de investimento:

* Ter em carteira aproximadamente 35 ações de cada vez, mantendo-as, em média, durante "cinco anos ou mais’’;


* Apostar sempre na valorização das ações, nunca na queda;

 

* Comprar participações grandes em empresas pequenas e não ter medo de atuar como ativista: "Se é para ser acionista minoritário, é melhor ser grande";

 

* Não usar alavancagem;

 

* Procurar empresas com boa governança que são subestimadas;

 

* Ler quase todos os documentos que as companhias apresentam às autoridades reguladoras;

 

* Evitar ações de empresas com grande valor de mercado;

 

* Não aceitar gerir dinheiro de terceiros: "Dá muita dor de cabeça."

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui