Fecho dos mercados: Bolsas recuperam de pior início de ano de sempre, petróleo e euro recuam

Negócios 05 de janeiro de 2016

A maioria das bolsas europeias regressou esta terça-feira aos ganhos, depois das autoridades chinesas terem decidido intervir no mercado para estancar as quedas. Já o petróleo e o euro estão a perder terreno.

Por Patrícia Abreu - Jornal de Negócios

Os mercados em números
PSI-20 caiu 0,30% para 5.215,44 pontos
Stoxx 600 subiu 0,62% para 358,88 pontos
S&P 500 cai 0,08% para 2011,19 pontos
"Yield" a 10 anos de Portugal desceu 4 pontos base para 2,512%
Euro recua 0,87% para 1,0737 dólares
Petróleo perde 1,88% para 36,52 dólares por barril, em Londres
Bolsas recuperam de quedas na primeira sessão do ano
As bolsas do Velho Continente estiveram a recuperar das fortes descidas registadas na primeira sessão de 2016. O europeu Stoxx 600 avançou 0,62%, com os investidores mais tranquilos em relação à China, depois das autoridades do país terem intervindo no mercado para travar a queda das acções. Em destaque estiveram os produtores de matérias-primas, sustentados pela subida dos preços dos metais.
A bolsa nacional contrariou os ganhos na Europa. O índice PSI-20 cedeu 0,3%, depois de ter terminado a primeira sessão do ano com uma queda inferior à registada pelas congéneres europeias. A determinar as quedas em Lisboa esteve essencialmente a Galp. A petrolífera tombou 3,13% para 10,55 euros, arrastada pelas cotações do crude.
Juros corrigem por toda a Europa
Os juros das obrigações europeias estiveram a corrigir esta terça-feira, 5 de Janeiro. A taxa a 10 anos de Portugal recuou 4 pontos base para 2,512%, enquanto o juro alemão desceu 2,6 pontos para 0,540%. Com esta correcção, o spread dos juros da República Portuguesa face à dívida alemã baixou para 197,3 pontos.
Euribor a três meses volta a mínimos históricos
A taxa Euribor a três meses regressou hoje a mínimos históricos. Depois de ter caído para -0,132% na última sessão, o indexante desceu para -0,133%, o mínimo histórico registado em meados de Dezembro. Já a Euribor a seis meses, a mais usada em Portugal nos créditos à habitação em Portugal manteve-se inalterada em -0,041%. O indexante negociou pela primeira vez em valores negativos a 6 de Novembro.
Euro renova mínimos de um mês
A moeda única está a negociar no valor mais baixo num mês, depois de ter sido divulgado que a inflação na Zona Euro permaneceu estável, em Dezembro. A inflação na Zona Euro deverá ter ficado nos 0,2% em Dezembro, o que significa que estabilizou face a Novembro, de acordo com a estimativa rápida divulgada pelo Eurostat. O euro cede 0,87% para 1,0737 dólares, com a divisa a recuar pelo quarto dia consecutivo, perante a expectativa que a divergência entre a política monetária na Europa e nos EUA continue a aumentar.
Expectativa de aumento das reservas arrasta petróleo
Os preços do petróleo estão a transaccionar com desvalorizações superiores a 1% nos mercados internacionais, com as cotações a negociarem no valor mais baixo em duas semanas. O Brent lidera as quedas, ao perder 1,88% para 36,52 dólares por barril, enquanto o WTI, em Nova Iorque, cai 1,14% para 36,34 dólares. Os investidores aguardam um relatório nos EUA, onde deverá ser divulgado que as reservas de crude subiram na semana passada.
Tensão no Médio Oriente e China devolvem brilho ao ouro
O metal precioso está a prolongar os ganhos da última sessão, ao subir mais de 1,5%, com os investidores a procurarem refúgio no ouro. O clima de tensão no Médio Oriente, após o corte de relações entre a Arábia Saudita e o Irão, a par das preocupações em torno da economia chinesa, está a favorecer o investimento em ouro, com a matéria-prima a beneficiar com o seu estatuto de activo de refúgio. O metal ganha 0,88% para 1.216 dólares por onça, registando um dos melhores arranques anuais em vários anos.
Destaques do diaDezembro foi o pior mês de sempre nas compras de activos do BCE. Apesar do fraco resultado registado no último mês, a instituição monetária conseguiu fechar 2015 a comprar em média 60 mil milhões de euros em activos. A dívida portuguesa continua a registar a maturidade média mais elevada.
Naviget nasce com 18,4 milhões da venda do Banif Malta. O veículo de gestão de activos criado com o fim do Banif é a esperança do Governo para compensar parte dos encargos com a resolução. Certo é que já há 18,4 milhões de euros de receita acordados.
Crédito vencido cai nas famílias e empresas em Novembro. A percentagem de créditos em situação de incumprimento, tanto nas empresas como nas famílias, diminuiu, em Novembro, segundo o Banco de Portugal.
Reforma das pensões pode detonar nova crise no governo grego. A reforma das pensões não implicará cortes para os já reformados, mas os novos pensionistas podem perder até 30%. Num sinal de fragilidade da coligação, a porta-voz de Tsipras pediu o apoio da oposição.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login