Excesso de trabalho levou a explosão fatal

CM 09 de outubro de 2017

Ministério Público analisa possibilidade de crime na tragédia de Lamego, onde morreram oito pessoas.

Por Correio da Manhã

Os rostos da tragédia em Lamego O relatório da investigação do Departamento de Armas e Explosivos (DAE) da PSP à explosão da pirotecnia de Avões, em Lamego, onde morreram 8 pessoas na tarde de 4 de abril deste ano, aponta que na origem do sinistro poderá ter estado o excesso de laboração da empresa nesse dia.

Ao que o CM apurou, os agentes da PSP e técnicos que, ao longo dos últimos seis meses, passaram pela pirotecnia Egas Sequeira, em Avões, em recolha de prova ou para fazer interrogatórios por delegação do Ministério Público, encontraram indícios de que mais de duas dezenas de pessoas trabalharam na empresa no dia da tragédia. O excessivo manuseamento de pólvora, substância perigosamente instável, terá causado as condições propícias para a ocorrência de sucessivas e violentas explosões. O primeiro dos rebentamentos terá ocorrido no momento em que uma carrinha estava a ser carregada com pólvora.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login