Empresa paga 124 milhões de euros a CEO para abdicar de benefícios

Negócios 18 de março de 2016

Joe Kiani perde o "pára-quedas dourado" no caso de a empresa ser vendida e benefícios em opções sobre acções, mas assegura uma compensação de 147 milhões de dólares, cerca de 124 milhões de euros. As negociações levaram três anos.

Por Inês F. Alves - Jornal de Negócios

O empresário Joe Kiani, fundador, presidente e CEO da Masimo Corporation tem agora um contrato de trabalho com menos benefícios, mas, em compensação, recebeu 147 milhões de dólares (124 milhões de euros) da empresa de dispositivos médicos, sedeada na Califórnia. Escreve a Bloomberg que o pacote de benefícios de Joe Kiani era digno de fazer inveja a muitos CEO. O empresário tinha 300 mil opções sobre acções anualmente que podia trocar por acções efectivas em alguns cenários. O CEO tinha ainda garantido um "pára-quedas dourado", ou seja, garantias consideráveis no caso de a empresa ser comprada.
Após três anos de negociações, Kiani abdicou desses benefícios em 2015, de acordo com um comunicado divulgado pela empresa e citado pela Bloomberg. Em retorno, a Masimo ofereceu-lhe 112 milhões de dólares (99 milhões de euros) em acções e 35 milhões (31 milhões de euros) em dinheiro, que serão desembolsados no caso de o seu contrato terminar antes de 2018. A empresa pagou ainda 1,4 milhões de dólares em apoio jurídico gastos por Kiani durante estas negociações.
A partir de 2017, o CEO deixará de ter direito ao subsídio garantido das opções sobre acções e diminuiram-lhe as compensações a receber caso a empresa venha a ser adquirida.
"Estou feliz por termos conseguido chegar a um novo acordo que acreditamos que irá poupar aos accionistas da Masimo milhões de dólares", disse Kiani, citado pela Bloomberg.
"Este novo acordo vai poupa à Masimo e aos seus accionistas 100 milhões de dólares perante um número de cenários razoáveis de mudanças de controlo [na empresa]", explicou Mark de Raad, responsável financeiro (CFO) da empresa à agência.
Em 2015, de acordo com a folha de pagamentos da empresa, Kiani recebeu 119,2 milhões de dólares (105,7 milhões de euros), onde se inclui a concessão de acções no valor de 112 milhões de dólares, mas não referidos 35 milhões de dólares caso o vínculo contractual com a empresa termine antes de 2018. Excluindo itens especiais, o CEO recebeu no ano passado remunerações no valor de 7,3 milhões de dólares (6,5 milhões de euros), onde se incluem 883.518 dólares de salário (783.907 euros), 3,82 milhões em opções sobre acções e 1,05 milhões de dólares de bónus em dinheiro.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui