As marcas vão ser todas directas

Negócios 12 de dezembro de 2018

"A revolução da marca directa não passou despercebida pelos gigantes incumbentes. Por exemplo, 42 novas marcas directas atacaram a Procter & Gamble para todas as suas categorias", referiu Alexandra Salomon.

Por Filipe Fernandes - Jornal de Negócios

"Os dados são para o século XXI o que o capital foi para o século XX", afirmou Alexandra Salomon, Head of Global Business Development, IAB Tech Lab, que trabalhou durante 25 anos em publicidade online e marketing interactivo em empresas como AOL, Yahoo, Zinio e Disney Publishing. "Empresas como Warby Parker em óculos, Glossier em cosméticos, Casper em colchões, Away em malas não são curiosidades interessante, representam uma mudança sólida no modo como a economia de consumo funciona.

O objectivo do marketing é chegar à cabeça, ao coração e à conveniência. A comunicação do valor racional de um produto ou serviço para o consumidor, os apelos emocionais que colocam um produto ou marca dentro do estilo de vida, alma ou demografia de alguém e a entrega dos produtos nas mãos do consumidor foram transformadas pela internet baseada no cloud. "Pode-se dizer que cloud é para o século 21 o que o tear mecânico foi para o século 18 - uma tecnologia que muda o escopo geográfico e a escala humana de um empreendimento", referiu Alexandra Salomon.

Durante séculos produziram-se bens e serviços, fez-se a distribuição, mas a cloud acrescentou-lhe a segmentação a nível individual. Esta "conexão individual entre empresas e consumidores - uma impossibilidade há apenas 25 anos - é agora um direito assumido. Mas esta não é uma via de mão única, de consumidores fazendo propostas e empresas submissas. As marcas obtêm algo igualmente valioso - dados primários que alimentam todas as outras funções da empresa". Além disso, a cloud permite o acesso não só nas "funções brandas" de marketing, comunicação e serviço ao cliente, mas às funções complexas de terceirização como a produção, a logística e o atendimento.

A marca directa em 2010

Esta nova economia vem substituir a da marca indirecta que começou em 1879, quando a Procter & Gamble lançou massivamente o sabonete branco Ivory, em que a preferência das marcas era persistente e em que, uma vez conquistada a liderança de mercado, era difícil serem removidos, e, por exemplo, em 5 categorias de produtos, 19 das marcas que lideravam o mercado em 1923 mantinham-se 1983. Esta época terminou em 2010 quando nasceu a Warby Parker que deu início a economia da marca directa.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login