Venezuela exige a Portugal os 297 milhões que perdeu no GES

04 de maio de 2015

Em causa estão os investimentos efectuados por fundos venezuelanos em papel comercial da ESI. Empresas portuguesas na Venezuela temem vir a ser prejudicadas.

O Governo da Venezuela pretende recuperar o investimento de 297 milhões de euros que foi realizado por dois fundos públicos venezuelanos - o Banco de Desarrollo Economico e Social da Venezuela (BANDES) e o Fondo de Desarrollo Nacional (FONDEN) - em papel comercial da Espírito Santo International (ESI), a antiga "holding" do Grupo Espírito Santo (GES).

De acordo com o "Diário Económico", as autoridades venezuelanas já contactaram o Governo português, apresentando a reivindicação. Mais, preparam-se para recorrer aos tribunais em Portugal, com o objectivo de recuperar o dinheiro.

Os referidos investimentos em papel comercial da ESI estariam assegurados por cartas de conforto passadas pelo Banco Espírito Santo (BES), com as assinaturas de dois administradores e do presidente executivo Ricardo Salgado. Mas a validade das cartas de conforto está a ser contestada, na medida em que terão sido concedidas à revelia da restante administração do BES.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais