Professores procuram-se: 24% das vagas ficaram por preencher

Professores procuram-se: 24% das vagas ficaram por preencher
Sara Capelo 27 de setembro de 2021

Cerca de um quarto dos lugares nos cursos de Ensino Básico não tiveram candidatos. Vagas transitam para segunda fase. É um sintoma da falta de interesse na profissão, avisa Mário Nogueira.

Pode ser mais um sinal da crise de vocação: na primeira fase do ensino superior, 24% dos lugares dos cursos de ensino básico ficaram por preencher. Em 795 vagas, 191 não tiveram candidatos. O curso do Politécnico de Portalegre não teve candidatos para as 22 vagas. Na licenciatura oferecida pelo Politécnico da Guarda só houve um aluno colocado (há ainda 24 vagas para a segunda fase). E em Bragança há 46 das 50 vagas para ocupar. 

Em escolas mais do litoral, onde há mais vagas, como o Politécnico de Lisboa (92), Leiria (59) ou Porto (52) já não há vagas para a segunda fase. 

Este é um sintoma que tanto o sindicalista Mário Nogueira como o responsável pela Associação Nacional de Diretores Escolares (ANDE), Manuel Pereira, já adivinhavam numa conversa com a SÁBADO dois dias antes da saída das listas de entrada no ensino superior, este domingo, 26. Falavam então na falta de motivação para se ser professor em Portugal. E isso está a levar à falta de professores nas escolas.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais