O discurso de Carlos Alexandre inspirado no antigo presidente do PS

31 de maio de 2017

O juiz mais mediático de Portugal usou um livro de António Almeida Santos, antigo presidente do PS, para dizer o que pensava sobre o combate à corrupção. A SÁBADO publica todo o discurso na íntegra

"Sobre o combate à corrupção

 Antes de mais quero esclarecer quem me escuta sobre a forma como aqui apareci. Há quase um ano, um amigo meu, Rogério Jóia [quadro da PJ], referiu-me ir sugerir o meu nome para figurar neste painel, aos distintos organizadores. Embora sejamos oriundos das serranias, lá onde 'até as silvas dão rosas' ele da campina de Idanha, eu de Mação, na que era do pinhal, tentei dissuadi-lo. Disse-lhe e é o que mantenho que tem razão a senhora, perdão têm razão todos os que dizem que sou uma mente simples, um homem 'sem mundo'.

Na altura eu não sabia, não intuía quem eram as pessoas que vinham apresentar comigo neste evento. Sendo eu um cidadão comum que deve à divina providência a graça de ter chegado até aqui, muito por força e em razão do lugar onde, já mais de doze anos, exerço funções e ao favor dos média, pensando eu que esse favor dos média, dos tablóides como alguém já disse, só pode ocorrer porque traduzo e postulo as preocupações dos meus co-cidadãos; perante o passado e o presente de cada um deles, não sou nada!

Mas enfim. Dizia Francisco Serrano um velho maçanico letrado: 'Quem muito quiser saber corra o mundo ou aprenda a ler!' As minhas condições materiais de existência, conhecidas da generalidade dos interessados porque eu próprio as divulguei e nada oponho a que sejam públicas, não me permitem correr mundo. Vou como Xavier de Maítre 'ali até ao quintal'. E leio, ouço, vejo.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais