Siga o nosso canal no WhatsApp e não perca as grandes histórias da SÁBADO. Seguir

Bastidores: Das bandeiras nas janelas até esta edição

Bastidores: Das bandeiras nas janelas até esta edição
Rui Hortelão 28 de dezembro de 2016

Em 2004, teve a ideia e pediu ajuda a Marcelo. Hoje, o estudante Bernardo Theotónio-Pereira já é pai, jurista e professor universitário. Mas mantém intacta a persistência com que defende Portugal e a necessidade de haver uma estratégia nacional

Bernardo Theotónio-Pereira era ainda estudante quando, em 2004, escreveu uma carta ao comentador Marcelo Rebelo de Sousa. O pedido, redigido a 13 de Maio, consistia em que, no domingo seguinte, o agora Presidente da República divulgasse a campanha que Bernardo baptizou como "Bandeira Nacional: por cada casa, uma bandeira". O objectivo era aproveitar o Europeu de Futebol para que "todos começássemos a sentir orgulho de sermos portugueses", explicaria mais tarde.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Talvez crónica

Somos feitos da curiosidade que temos

Uma pessoa que se rende à falta de curiosidade nunca vai saber o que está a perder. Deixa-se ficar deitada a apanhar pó por dentro, enquanto a vida lá fora avança em passos largos e fugidios. As respostas ficam cabisbaixas trancadas numa sala, a trocarem olhares entre elas, ansiosas por se virem mostrar como nunca antes as viram.

A Lagartixa e o jacaré

Debates

O papel dos comentários pós-debates ajuda a fixar uma impressão, mesmo quando a composição dos comentadores parece de antemão favorecer um lado ou outro. Parece e é. A maioria dos comentadores é hoje favorável à direita.

Cuidados Intensivos

Hooligans

Nos debates, ganha quem o hooligan quer que ganhe – e isso é válido para o hooligan anónimo, que grita para o televisor “Dá-lhe, Pedro Nuno!”, como para o hooligan em estúdio, que apesar de usar fato e gravata também está de tronco ao léu, agarrado à vedação do estádio, a chamar nomes ao árbitro.