Plano sentimental de vacinação
Pedro Marta Santos
14 de fevereiro

Plano sentimental de vacinação

Em época de emergência nacional, como se pode verberar contra o empreende- dorismo? Os directores de lares que foram vacinados antes dos seus idosos revelam pensamento estratégico. Um idoso sem direção é uma alma sem rumo

TÊM CHOVIDO CRÍTICAS à arbitrariedade e clientelismo de autarcas, administradores de hospitais, provedores da Santa Casa e directores de lares pela forma proactiva como têm interpretado o Plano Nacional de Vacinação. Os ataques não fazem mais do que pôr a nu a tremenda dor de cotovelo dos portugueses. Preferem a vacilação ou a vacinação? Nisto de inocular, adoptemos uma clareza nórdica: quando as listas nominais de prioritários apresentam falhas, é necessário supri-las com rapidez, vacinando quem está mais à mão (como um marido ou um swipe do Tinder) ou mais à mão de semear (como um empregado de pastelaria).

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais